25 janeiro 2015

Emma Holten - Publicação na internet de fotografias da sua nudez sem permissão - - - Moral: Se fosse comigo, eu não iria também consentir, nem gostar ....

O ex-namorado de Emma Holten publicou fotos da nudez do seu corpo não autorizadas na internet que muito prejudicaram a sua imagem, honra, dignidade e vida pessoal, familiar, profissional, etc..

Após receber milhares de contactos e ter dispendido imenso tempo a justificar-se por tudo aquilo que não tinha feito por si, ter, inclusivamente, tentado eliminado as suas fotos dos vários websites onde foram indevidamente publicados e ouvido as respostas de recusa dos responsáveis pela gestão dos conteúdos de tais websites, Emma decidiu tomar uma iniciativa inédita de mostrar a sua inocência da mesma forma, através do recurso aos mesmos meios, mostrando o seu corpo com o seu consentimento, com a ajuda de uma fotógrafa profissional.

Uma lição para quem fez isto à Emma, a todos os que deixaram publicar as fotos e àqueles que visualizaram as suas fotos que ao (quererem) ignorar o facto de que foram publicadas sem o seu consentimento, também nada fizeram para reverter esta situação.

A devassa da vida privada e/ou publicação de fotos não autorizadas de uma pessoa não deveria ser um crime ignorado pela nossa sociedade.

 Someone stole naked pictures of me. This is what I did about it – video




Emma holten_001

On a regular October morning in 2011 I couldn’t access my email or Facebook. I didn’t think anything of it – I forget passwords all the time – and just tried again. Waiting for me upon entry were hundreds of messages and emails.
Messages and emails with pictures of me in them.
One: me, naked, in my ex-boyfriend’s darkened room. Seventeen, a little awkward, slightly hunched forward: a harmless attempt at sexiness.
Another: two years later, in my room in Uppsala, Sweden. Older, a little more confident, but not a whole lot.
What had happened was apparent: the pictures were now online. I had become one of the thousands, hundreds of thousands, of girls thrown into the porn industry against their will. I thought “how bad can this really be?” The guys at school would find it hilarious, probably; talk about it for ten minutes: “Holy shit, have you seen Emma?” It was humiliating, of course, but I’ve never been ashamed of my body or my sexuality. No doubt, I wished it had never happened, but I couldn’t have imagined the next two years.
The weeks passed and more messages trickled in. I was on sites filled with pictures of my fellow victims, women who’d never intended their pictures to be public, who’d never wanted attention from more than one person.
“Men love naked women,” I thought “I knew as much.” But their questions in my inbox made it clear that the appeal did not rest solely upon my apparent nudity.
These messages were from men all over the world. Teen boys, university students, nuclear-family dads. The only thing they had in common was that they were all men. They knew it was against my will, that I didn’t want to be on those sites. The realisation that my humiliation turned them on felt like a noose around my neck. The absence of consent was erotic, they relished my suffering.
It’s one thing to be sexualised by people who are attracted to you, but it’s quite another thing when the lack of a ‘you’, when dehumanization, is the main factor. I realised that if I had been a model sexualising herself I would have been of little interest. My body was not the appealing factor. Furthermore, I saw that my loss of control legitimised the harrasment. I was a fallen woman, anyone’s game. What was I aside from a whore who had got what she deserved?
*** *** ***
Then, suddenly, I noticed that this dynamic – sexualisation against her will – was everywhere. Take ‘creepshots’, a global phenomenon which entails photographing women without their knowledge or consent, in order to share them in a sexual context online. On similar sites, people link to Facebook pages asking if anyone can hack or find more pictures of the girl. Here, again, women are used as objects whose lack of consent, of participation, provides the reason and allure of their sexualisation.
This dynamic is a commonplace online and is a concrete manifestation of a larger discourse around the female body, the notion that it is erotic to sexualise someone who is unaware. We all know the tropes: the sexy teacher/student/nurse/waiter/bartender/doctor. All jobs, if staffed by women, can be sexualised. What is sexy is not the job, not even the woman, but the fact that while the woman is just doing her job you are secretly sexualising her. She has become public property by simply being?
The danger is not in arousal or finding another person arousing, but in the idea that a sexually arousing situation in which two people take part, can exist without one of the party’s consent. Feminists are often singled out and ridiculed for our critique of catcalling, the suggestion is that we cannot handle it. Of course we can. Rather, our critique is directed at how it positions the female body in public spaces. It is anobject, to be sexualised, even if the woman to whom the body belongs is working/shopping/picking up her kids/waiting for the bus. It is a notification that, whatever she is up to, a person is passing and sexualising her. Catcalling forcefully moves the female body from a non-sexual to a sexual situation.
If the men who contacted me thought about my humiliation, about my humanity, would they still write me? If you viewed women as beings with their own autonomy and sexuality, would you feel you had the right to photograph them without their knowledge? If catcallers saw women as complex individual people would they forcefully enter their private sphere?  No. No, because such actions can only be justified if the female body is fetischized as an object. Not an object like a dice or a winter coat, but an object for your utilization. Forcing a person to play a part that you need them to play.
Because such actions only take place when you forget, or do not know that a situation in which one participant has not consented is not a sexual situation. It’s just a situation with you and someone you find sexy. Nothing more.
*** *** ***
Seeking out my pictures, and the pictures of my fellow victims, is to actively participate in the dehumanization of the female body. To do so is to forget that these women are people who, by sexualizing themselves for one person, have not become sexualized objects. To do so forgets that no person deserves to be reduced to an object.
But, it is also dangerous. For, if one is exposed to the objectification of women for long enough, one will internalize it. Worse, those who are objectified will internalize it too. When you are told enough times that you do not deserve to be treated as someone of worth, you lie in bed at night and  begin to agree. It has been a huge task for me to muster any kind of self-worth after being told every day for three years that I don’t deserve it.
I’ve spent a lot of time thinking about how I could possibly stop hating my body. I blamed it for my humiliation. Why did it make people treat me that way? Would I ever be able to look at myself and see a human being?
There is no easy solution to such thoughts. You are caught between a wish to never be seen again and a determination not to live a life ruled by shame.
I thought about this a long while.
*** *** ***
I would have to write a new story about my body in order to make it possible to see myself naked and still see myself as human. I decided that a sort of re-humanisation had to happen.
I talked to the photographer Cecilie Bødker. She told me that photographing unclothed women without catering to the male gaze and sexualising them was almost impossible. Would it be possible for her to take pictures of me without my clothes on, where it was obvious that I was, in fact, a human being deserving of respect? We gave it a try. This isn’t just about me getting better. It’s also about problematising and experimenting with the roles we most see naked women portraying. We seldom smile, are in control, live. We never look, we’re always looked at.
The pictures are an attempt at making me a sexual subject instead of an object. I am not ashamed of my body, but it is mine. Consent is key. Just as rape and sex have nothing to do with each other, pictures shared with and without consent are completely different things.

This article is featured in HYSTERIA #5 ‘Nonsense’. Support us producing this issue and receive a copy! https://www.kickstarter.com/projects/829143091/hysteria-5-nonsense
Artwork © Cecilie Bødker and Emma Holten (http://friktionmagasin.dk/?p=1568)

Foto: Cecilie Bødker
For 3 år siden fandt Emma ud af, at der uden hendes samtykke lå private billeder af hendes yngre jeg, nøgen, fotograferet på hendes daværende kærestes værelse, på en hjemmeside der profiterede på at vise nøgenbilleder af kvinder, der ikke selv havde valgt at være en del af den beskidte forretning. Fænomenet kaldes hævnporno, hvor folk offentliggør billeder af deres eks-kærester i halv- eller helpornografiske situationer.
Emma Holten & Cecilie Bødker
I de 3 år der er gået siden, er hun næsten hver dag blevet kontaktet af folk der havde gloet på billederne af hende og lige ville sige, at hun havde gode bryster eller at hun skulle sende nogle flere – ellers ville de sende billederne til hendes familie. I de 3 år er hun gået gennem følelsen af at skulle vide, at hendes krop blev set gennem pornografiske briller, at hun burde skamme sig over sin krop eller billeder af hendes krop, der knap nok føltes som hendes længere. Kæmpe den personlige kamp; at få sin krop til at føles som hendes egen igen.
Da hun fortalte mig sin historie, var hun var kommet til et punkt, hvor hun var klar til at skrive en ny historie om sin krop – gennem fotografier, men denne gang i kontrol af situationen og konteksten. Sammen har vi forsøgt at skabe en serie, der viser en krop som et kvindelig subjekt i stedet for et objekt. Undersøgt hvilke roller vi ser den nøgne krop i. Hvordan forholdet mellem den der ser og den der bliver set på. En række billeder af en person, der selv uden tøj altså er et menneske og skal behandles og ses og respekteres sådan!
Læs Emmas artikel om hævnporno og sexisme her.
Vær med til at sætte en stopper for hævnporno her: www.endrevengeporn.org
Foto: Cecilie Bødker Foto: Cecilie BødkerFoto: Cecilie BødkerFoto: Cecilie BødkerFoto: Cecilie BødkerFoto: Cecilie BødkerFoto: Cecilie Bødker Foto: Cecilie BødkerFoto: Cecilie Bødker

19 janeiro 2015

As grandes questões da vida ...

Primeira parte
1. Podendo escolher qualquer pessoa no mundo, quem queria ter como convidado para jantar?
2. Gostaria de ser famoso? De que forma?
3. Ensaia o que vai dizer antes de fazer uma chamada telefónica? Porquê?
4. O que constitui um “dia perfeito” para si?
5. Quando foi a última vez que cantou para si mesmo? E para outra pessoa?
6. Se fosse capaz de viver até aos 90 anos de idade com a mente ou o corpo de uma pessoa de 30 anos, o que escolheria [a mente ou o corpo]?
7. Tem um palpite secreto sobre a forma como vai morrer?
8. Diga três coisas que você e o seu parceiro parecem ter em comum.
9. Pelo o que é que se sente mais grato/grata na vida?
10. Se pudesse mudar alguma coisa na forma como foi educado/a, o que seria?
11. Tire quatro minutos do seu tempo e conta ao parceiro/a a história da sua vida com o máximo de detalhes possível.
12. Se amanhã acordasse com uma nova qualidade ou habilidade, qual seria?

Segunda parte
1. Se uma bola de cristal pudesse contar a verdade sobre a sua pessoa, vida e futuro, ou qualquer outra coisa, o que é que quereria saber?
2. Há alguma coisa que sonhe fazer desde há muito tempo? Porque não a fez?
3. Qual é a maior realização na sua vida?
4. O que valoriza mais numa amizade?
5. Qual é a sua memória mais querida?
6. Qual é a sua memória mais terrível?
7. Se soubesse que dentro de um ano fosse morrer de repente, mudaria alguma coisa na forma como está atualmente a viver? Porquê?
8. O que é que a amizade significa para si?
9. Quais são os papéis do amor e do afeto na sua vida?
10. Partilhe alternadamente algo que considere ser uma característica positiva no seu/sua parceiro/a. Partilhe um total de cinco itens.
11. Quão próxima e calorosa é a sua família? Sente que a sua infância foi mais feliz que a da maior parte das pessoas?
12. Como se sente face à relação que tem com a sua mãe?

Terceira parte
1. Faça três declarações honestas na primeira pessoa do plural. Como por exemplo, “Nós estamos os dois nesta sala a sentirmo-nos…”
2. Complete esta frase: “Eu gostava de ter alguém com quem partilhar…”
3. Caso ficasse um amigo próximo do seu/sua parceiro/a, partilhe o que seria importante que ele ou ela soubesse.
4. Diga ao seu/sua parceiro/a o que gosta nele/nela; seja honesto/a desta vez, dizendo coisas que não diria a alguém que acabou de conhecer.
5. Partilhe com o seu/sua parceiro/a um momento embaraçoso da sua vida.
6. Quando foi a última vez que chorou em frente a uma pessoa? E sozinho/a?
7. Conte ao seu parceiro uma coisa que já goste nele/nela.
8. E se qualquer coisa for demasiado sério para ser gozada?
9. Se morresse esta noite se a oportunidade de comunicar com quem quer que fosse, o que mais se arrependeria de não ter dito a alguém? Porque é que ainda não o disse?
10. A sua casa, que contém tudo o que lhe pertence, incendeia-se. Depois de salvar os seus entes queridos e os animais de estimação, tem tempo para salvar um último item. Qual seria? Porquê?
11. De todas as pessoas na sua família, que morte consideraria mais perturbante. Porquê?
12. Partilhe um problema pessoal e peça ao seu/sua parceiro/parceira por conselhos em como lidar com ele. Peça também ao parceiro/a que reflita sobre a como você se está a sentir tendo em conta o problema que escolheu.


07 dezembro 2013

Estimule-se o que este povo sempre soube fazer bem .... e deixemos a política completamente fodida e à sua sorte ....

Isto sim, é uma PROMOÇÃO!!!

O desenvolvimento da economia passa pela descoberta dos nichos de mercado verdadeiramente interessantes.

Esta faz parte do grupo de pequenas empresas que um qualquer Governo das Bananas deveria incentivar ... para o bom desenvolvimento da economia ...

Simplicidade acima de tudo .....

Quando tinha 14 anos, esperava ter uma namorada algum dia.

Quando tinha 16 anos tive uma namorada, mas não tinha paixão. Então
percebi que precisava de uma mulher apaixonada, com vontade de viver.

Na faculdade saí com uma mulher apaixonada, mas era emocional demais.
Tudo era terrível, era a rainha dos problemas, chorava o tempo todo e
ameaçava suicidar-se. Então percebi que precisava de uma mulher estável.

Quando tinha 25 encontrei uma mulher bem estável, mas chata. Era
totalmente previsível e nada a excitava. A vida tornou-se tão
monótona, que decidi que precisava de uma mulher excitante.

Aos 28 encontrei uma mulher excitante, mas não consegui acompanhá-la.
Ia de um lado para o outro sem se deter em lugar nenhum. Fazia coisas
impetuosas, que me fez sentir tão miserável como feliz. No começo foi
divertido e eletrizante, mas sem futuro. Então decidi buscar uma
mulher com alguma ambição.

Quando cheguei nos 31, encontrei uma mulher inteligente, ambiciosa e
com os pés no chão. Decidi casar-me com ela. Era tão ambiciosa que
pediu o divórcio e ficou com tudo o que eu tinha.

Hoje, com 40 anos, gosto de mulheres com mamas grandes. E pronto!

Enquanto fôr a merda do futebol a ser o n.º 1 das preocupações na cabecinha da maioria desta gentinha que por cá vive este país nunca terá solução para sair da crise em que se meteu ...

Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência... https://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash3/1422408_10200960574483674_182525534_n.jpg

Gostava de ter tesão até morrer ...

Um casal passa a lua de mel em uma linda
Numa casa de espetáculos pornô o letreiro anuncia:
Entram e o show começa com GERALDINHO, 51 anos, numa
cama com um louraça, uma morenaça e uma ruivaça,
que ele traça,uma a uma ....
e depois repete.
As três mulheres, exaustas, deixam o palco,
enquanto GERALDINHO agradece ao público, que de pé
aplaude efusivamente.
Sob o rufar de tambores, uma mesinha
com 3 nozes é colocada bem
no centro do cenário.
GERALDINHO quebra as 3 nozes com o pênis, com
pancadas precisas.
O público vai à loucura e ele é ovacionado
por vários minutos !
Passados 25 anos, para recordar os velhos tempos, o
casal decide comemorar as bodas de prata na mesma
Passeiam pelos mesmos lugares e, diante da mesma
casa vêem, surpresos, o cartaz:
Entram e no palco, quem está lá ?
O GERALDINHO, agora com 76 anos, enrugadinho,
cabelos brancos, traçando 3 mulheres
com o mesmo pique.
Não dá pra acreditar ! ! !
Quando os tambores começam a rufar, é colocada no
centro do palco a mesma mesinha, agora com 3 cocos,
e ele os quebra com o pênis com a mesma precisão.
Boquiaberto, o casal vai ao camarim para
cumprimentar pessoalmente o fabuloso GERALDINHO e,
curiosos, lhe perguntam o motivo da mudança
das nozes para cocos.
Meio sem graça, ele responde:

Como conseguir emocionar uma Mulher em tempo de crise ...

Depois não digas que não te ensinei nada

Há Homens que nunca hão-de enxergar o que as Mulheres querem ...

Um médico, em Dublin, queria DESCANSAR e ir pescar.

 Então aproximou-se do seu assistente e disse-lhe:

 - Murphy, amanhã vou pescar e não quero fechar a clínica. Acha que consegue cuidar dela e de todos os pacientes?

 - Sim, senhor! - respondeu Murphy.

 O médico foi pescar e voltou no dia seguinte.

 - Então, Murphy, como correu o dia?

 - Cuidei de três pacientes. O primeiro tinha uma dor de cabeça e,então, eu dei-lhe paracetamol.

 - Bravo, meu rapaz .

 - E o segundo? - perguntou o médico.

 - O segundo teve indigestão e eu dei-lhe Guronsan- informou Murphy.

 - Bravo, bravo! Você é bom nisso... E o terceiro? - perguntou o médico.

 - Bom, doutor, eu estava sentado aqui e, de repente, abriu-se a porta e entrou uma linda mulher. Ela arrancou a roupa, despiu tudo, incluindo o sutiã e as cuequinhas. Depois deitou-se sobre a marquesa, abriu as pernas e gritou: «AJUDE-ME, pelo amor de Deus! Há cinco anos que eu não vejo homem!''

 - Nossa Senhora, Murphy, o que é que você fez? - perguntou o médico.

 - Eu pus-lhe gotas nos olhos, doutor!

Anda por aí muita mulher casada por obrigação, porque o desejo de sentir amada, amar e ser amada já não existe em muitos casamentos de fachada ... Tenho pena de todas essas mulheres ....

— Doutor, depois do by-pass poderei fazer sexo?

 Só com a sua mulher. Não pode excitar-se.