31 Maio 2007

Diferenças ...

Desde uma luta entre cheerleaders:

http://www.metacafe.com/watch/500746/cheerleader_cat_fight/


... ao anúncio da chamada da mulher para o escritório do chefe:

http://www.metacafe.com/watch/601557/wife_call/


... às cuecas voadoras:

http://www.metacafe.com/watch/561854/fly_up_high/


... ao removedor de tatuagens:

http://www.metacafe.com/watch/602087/tattoo_remover/


... à apresentadora de televisão sensual:

http://www.metacafe.com/watch/470180/pretty_girl/


... às operações de transformação de beleza a 3:

http://www.metacafe.com/watch/610651/sexy_triplets/


... à posse das 2 meninas atrevidas no lançamento de uma corrida de carros mais louca do mundo, o Gumball3000:

http://www.metacafe.com/watch/553024/getting_stickier_at_the_gumball3000_launch/


... à sessão fotográfica para a revista Maxim de uma personagem televisiva popular na televisão grega (mesmo sem ter talento):

http://www.metacafe.com/watch/566256/maria_enezli_maxim_photoshoot/


... à descrição da experiência a dois mais maluca:

http://www.metacafe.com/watch/464092/my_craziest_sex_experience_princessara/


... ao novo visual chocante da Britney Spears:

http://www.metacafe.com/watch/556736/britney_spears_shocks_again/


... à colecção enorme de fotografias com música da bela Scarlett Johansson:

http://www.metacafe.com/watch/469448/beautiful_scarlett_johansson/



... venha o diabo e escolha!

O Que é Que as Mulheres Querem?

What Women Want (2000)

Nick Marshall (Mel Gibson, O Patriota) é o tipo de homem que todos invejam.

Um elegante e sedutor solteirão, leva a melhor das vidas, gosta de ouvir Sinatra e pensa que tem o mundo nas mãos.

Até que uma noite, na privacidade do seu apartamento de luxo, um autêntico “choque” abre-lhe os olhos e sobretudo os ouvidos mais do que ele alguma vez poderia imaginar.

Agora, Nick Marshall, bem sucedido executivo de publicidade e auto proclamado dádiva de Deus às mulheres, descobriu subitamente que tem um outro dom: Ele pode ouvir os mais íntimos pensamentos das mulheres que estão à sua volta ... e o que ouve não abona a fama de galã que julga ter.

Mas Nick vai saber tirar o melhor partido do seu novo dom ... sobretudo com a sua nova chefe, Darcy (Helen Hunt) ...


Synopsis:

A man finds himself getting an unexpected crash course in the psychology of contemporary women in this romantic comedy.

Nick Marshall (Mel Gibson) is a successful advertising executive living in Chicago who has long fancied himself a ladies' man, though he has precious little understanding of women beyond figuring out how to seduce them.

One day, Nick is electrocuted in an accident in his bathroom; while he's not seriously injured, when he comes to, he discovers something remarkable has happened -- he can suddenly hear what women are thinking.

At first, Nick finds himself learning all sorts of things he didn't want to know, but he also realizes how this can be used to his advantage -- especially after his old boss, Dan Wanamaker (Alan Alda) is replaced by a woman, Darcy Maguire (Helen Hunt).

But Nick begins to feel differently about his unusual gift when he discovers Darcy is infatuated with him, and he finds himself falling for her.

At the start of What Women Want, we learn the definition of a "man's man." This lesson comes first from the ex-wife of Nick Marshall (Mel Gibson), and he is Exhibit A. As she has it, a "man's man" garners the admiration of other men, and loves women's bodies but is also confused and frightened by their mysterious nature. In Nick's case, he's the product of being raised by a Las Vegas showgirl mom, who kept him with her backstage so that she and her fellow showgirls could treat him like a king. His hypermasculinity has left a lasting impression on those women close to him: his ex-wife (Lauren Holly) goes on to describe his killer charm and self-absorption, his 15-year-old daughter Alex (Ashley Johnson) observes that he's less a father than her "Uncle Dad," and then, his secretary reports on his bad jokes, crappy errands, and disrespect for all the women who work with him. Basically, all the women in his life hate him, but Nick is completely clueless in his "man's man" sort of way, until a fateful accident involving a hair dryer and a bathtub zaps him into a state where he can hear what women think. It is this ability that ultimately teaches him to treat people with kindness, respect, and attentiveness.

I suppose this is what the film is trying to say women want. But Nick's transformation is more complicated than it looks at first. As a man who can barely watch female-oriented television shows and commercials, Nick's newfound insight initially scares him, forcing open a once cryptic interior female world that is far different from the polite and predictable exterior with which he is comfortable. But when he realizes the potential power his gift grants him (with the help of a shrink played by Bette Midler), he decides to use it to sabotage his new boss, Darcy Maguire (Helen Hunt), whom he believes has stolen the position he was meant to have at an upscale advertising agency. But, of course, as a result of the lessons he learns by listening in on Darcy's thoughts, Nick falls in love with her and she with him.

There are a few things, all unoriginal and unsubtle, that distinguish sensitive Nick from chauvinist Nick. Most obvious is his wardrobe: the old Nick wears only black, shark-attack-looking outfits, leather jackets and close-fitting shirts; the new Nick wears, you guessed it, blue, brown, and white, in less aggressive-seeming styles. As well, the old Nick tends to appear in close, confining camera shots, where nice Nick more often appears in long shots, emphasizing that he exists in larger spaces with considerably less clutter in the background: before his lesson, Nick's experience is small, while afterwards, he is less limited by the borders of the screen and -- most importantly -- his attitude. Certainly, his behavior changes: most crucially, he listens, carefully. He tells Darcy one of his more profound discoveries, that women worry all the time -- about their appearances, their jobs, their lovers, their children, even their home appliances -- and he sympathizes with these worries. She's impressed. For the first time, it seems, Nick is able to identify with women on a human level.

Perhaps more importantly, Nick begins absorbing the pop culture around him in a way that's more stereotypically "feminine." The resulting "girlish" behaviors provide for the film's biggest laughs. Near the beginning of the movie, we see Nick listening to Frank Sinatra with a rakish look of appreciation; by the end, he's more entranced by Ol' Blue Eyes' romance. Or, again, he initially watches his widescreen tv with disgust when a feminine hygiene commercial or a bit of women's gymnastics comes on, his contorted face and exclamations displaying just what he thinks of "girl-power" and love stories. But soon enough, he's watching tv in a whole new way, crying during a Richard Simmons infomercial in which a woman relates her sad, pre-weight loss story -- quite a change from the snickering macho man we first meet.

While all of the aforementioned changes are clues that viewers are supposed to sympathize with Nick, none coerces us more than his increased attentiveness and kindness, leading to his "heroism." In one climactic sequence, Nick acts as a knight in shining armor for three women in need of rescuing -- a sexless office worker who's feeling suicidal (apparently because she's sexless); Alex during a disastrous prom date; and Darcy as she's struggling with her down-turning career (owing to Nick's sabotaging, for which he now feels badly). In essence, his ability to listen to women's thoughts becomes the equivalent of a rather overdue visit from the spirits of Christmas past and these good deeds evidence his conversion.

It's telling that Nick's behavioral metamorphosis makes at least one other character think he's gay -- how else could a man be so perceptive and refined? After the accident, Nick is no longer praised for his manliness -- as when a male stranger tells him his success in asking out a reluctant coffee shop girl, Lola (Marisa Tomei) is "inspiring" -- but commended by women for his compassion. He no longer spends time with his male coworker and confidant, Morgan (Mark Feuerstein) or smokes cigars with the company president (Alan Alda), but instead hangs out in the break room with the "girls," offering them good sense advice on their bad-behaving boyfriends and husbands.
Along with the movie's rather disturbing gender politics and the fact that women function mainly as props to Nick's development, there are some slapstick bits that will make even the most jaded viewer chuckle (Mel Gibson rolling uncontrollably on spilled bath beads while wearing pantyhose and nail polish comes to mind). Still, most of these lighthearted moments ask us to laugh not at Gibson's expense but at women's. When Nick waxes his legs for the first time, the laugh line is partly his expression of surprise and pain, but more that women must be crazy to do this at all. What Women Want will most certainly inform viewers about dating and grooming etiquette, as well as the oppressiveness of Western gender roles. However noble this attempt may be, it is not expansive enough, but it never could be, given the film's premise. The title actually represents the biggest problem I have with the movie -- the assumption , in answer to Freud's famous question, that all women want the same things from life, from love, and from relationships -- to be heard and respected. More insidiously, in this movie, they want to be heard and respected regarding concerns that are, in effect, produced by a male-oriented commercial culture -- they want to have sympathy for lipstick and Wonderbra anxieties. The assumption that listening, kindness, and respect are the same things to all women and that real men can not display these attributes without the help of some freak accident is as ludicrous as it is annoying.

Comments:

Some have suggested that interpersonal relations between the sexes would work much more smoothly if only they had translators.

Mars and Venus could continue to speak their native languages while also understanding each other.

I'm inclined to think -- and apparently I'm not alone on this -- that much of this miscommunication stems from people simply not saying exactly what they mean.

Thus the question: what if Mars could hear Venus' internal dialogue?

The premise is very original and interesting.

A guy who can hear a woman's every thought?

That's pretty much every man's fantasy.

And the premise is used wisely.

I laughed the whole way through!

It's hilarious to watch Gibson emasculating himself by the minute, and the joke never runs dry.

I was laughing so much that I was able to tolerate the film's corny ending.

I mean, when is a romantic comedy going to come along that doesn't feature a formulaic ending that is supposed to make people leave the theater and go "Awwww"?

The supporting cast is full of big stars.

Bette Midler has an amusing cameo as a chain-smoking shrink.

I only wish she could've had some additional scenes.

"What Women Want" is an original, feel-good comedy that will have you on the floor!


Dicas simples para Evitar Fraude Bancária na Internet.

A Nova Emissora de Rádio da Margem Sul do Tejo.

(Promessa de) Oferta de uma Viagem?

Queres concorrer a uma viagem com tudo pago a qualquer lugar do mundo!

É fácil!

Para ganhares a viagem é necessário adivinhares quem é que está com sono na foto abaixo, e quais são os dois gémeos ...

Apenas isso.

Boa Sorte!

PS: Até agora ninguém conseguiu mas podes ser a tal pessoa …

Motivos de um divórcio (se reparares já é a 3.ª piada do dia!).

Num pedido de divórcio, o juiz pergunta à requerente: A senhora tem a certeza do que está a pedir? A senhora quer o divórcio por compatibilidade de feitios? Não será o contrário?

A mulher responde:

Não Sr. Juiz! É mesmo por compatibilidade.

Eu gosto de cinema, o meu marido também!

Eu gosto de ir à praia, ele também!

Eu gosto de ir ao teatro, ele também!

Eu gosto de homens e ele também!

Cuidado com o furo de pneus e o respectivo reboque de carro.

Informo-te nas mesmas condições em que fui informado.

... um amigo meu foi jantar perto da Avenida João XXI em Lisboa e quando chegou ao carro (Jipe -Opel Frontera) reparou que tinha um pneu cortado (com faca ou coisa parecida ...) e, muito mais estranho, quando vai para mudá-lo viu que o pneu sobressalente também estava cortado (este Jipe tem o pneu no exterior).

De seguida, contactou a assistência do ACP para lhe rebocar o carro para a oficina que abria no dia seguinte.

Até aqui “tudo bem”, ou seja, estranhou os cortes nos pneus mas .... por vezes há malucos para tudo ... . Mas, entretanto, e voltando atrás ao momento em que ele estava a trocar o pneu e não tinha reparado que o outro também estava cortado, teve a sorte de passar um carro da polícia que parou e lhe contou a história do que se está a passar nomeadamente em Lisboa e arredores ... .

Anda por aí um gangue que a polícia já sabe que existe e que actua da seguinte forma: Cortam 2 pneus.

De seguida aparece um reboque “como que por acaso” a dizer que tem uma oficina onde faz esta reparação ... e, com alguma conversa, as pessoas são convencidas (ou não) e deixam o carro seguir no reboque alheio ... .

Mais tarde, este carro é desmantelado e vendido para fora de Portugal em peças !!

Por isso é preciso muito cuidado!

Assim, não aceites em circunstância alguma o reboque do teu carro a não ser por parte do serviço de assistência a que tenha recorrido.

E, em caso de dúvida, pede a identificaçao do condutor do reboque e/ou acompanha o carro até à oficina …

A Margem Sul do Tejo na óptica de um Cartomante.

Curso de Formação para Homens em Geral e Maridos em Particular.

As Amizades são feitas de Pedacinhos ...

... São pedacinhos de tempo que vivemos com cada pessoa.

Não importa a quantidade de tempo que passamos com cada amigo, mas a qualidade do tempo que vivemos com cada um deles.

5 minutos podem ter uma importância muito maior do que um dia inteiro.

Assim, há amizades que são feitas de risos e dores compartilhados; outras de escola; outras de saídas, cinemas, diversões; há ainda aquelas que nascem sem sabermos porquê, mas que estão presentes.

Talvez essas sejam feitas de silêncios compreendidos ou de simpatia mútua, sem explicação.

Hoje em dia, muitas amizades são feitas através dos e-mails e essas, sendo diferentes, não são menos importantes.

Aprendemos a amar as pessoas sem as julgar pela aparência ou modo de ser e sem as etiquetar (e, às vezes, fazemos isso inconscientemente).

Há amizades profundas que são criadas assim.

Saint-Exupéry disse: “Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez a tua rosa tão importante.”.

E eu digo que é o tempo que ganhamos com cada amigo que faz cada amigo tão importante.
Porque o tempo gasto com amigos é tempo ganho, aproveitado, vivido.

São lembranças para 5 minutos depois ou para anos.
Um amigo torna-se importante para nós, e nós para ele, quando somos capazes, mesmo na sua ausência, de rir ou chorar, de sentir saudade e, nesse instante, trazer o outro bem pertinho de nós.
Dessa forma, podemos ter vários melhores amigos de diferentes maneiras.
O importante é saber aproveitar ao máximo cada minuto vivido e ter, depois, no baú das recordações, tempo para passar com os amigos, mesmo quando estes estiverem longe dos nossos olhos.
Assim, não compreendo como é que alguém neste mundo quando lhe aparece uma amizade à frente não reconhece o valor único do que é ter ou ser amigo de outrém e não preserva essa amizade.
Nota: Os desenhos são do livro “O Pequeno Príncipe” de Antoine Saint Exupéry.

Relembrar o caso Rui Pedro - Desaparecido desde 1998.

O caso do Rui Pedro foi há 9 anos...

Para que não esqueças, aqui vai a história toda ...

Filomena Teixeira mantém o quarto do filho Rui Pedro tal e qual ele o deixou há nove anos: o poster de Sandra Bullock colado atrás da porta e a televisão e a consola de jogos no mesmo lugar.

Os únicos elementos novos são imagens de santos alumiadas a lamparinas e um crucifixo sobre a Bíblia aberta no Cântico da Esperança, que Filomena repete como oração várias vezes ao dia.

Rui Pedro desapareceu de perto de casa, em Lousada.

Tinha 11 anos.

Naquela tarde de 4 de Março de 1998, uma quarta-feira, o menino saiu das aulas: Passou pela escola de condução do avô, onde a mãe trabalhava, e pediu-lhe autorização para dar uma volta com Afonso Dias, uma estranha criatura de Lousada que, apesar dos 21 anos, nada fazia e era habitual companheiro de brincadeira de rapazes com metade da idade.

Filomena não deixou o filho ir com Afonso: Lembrou-lhe que às cinco da tarde tinha que ir para a explicação.

Foi a última vez que o viu.

Ao final da tarde, apareceu-lhe o professor: Rui Pedro não tinha ido à explicação.

Ele nunca faltava.

Filomena sentiu que alguma coisa de ruim tinha acontecido.

Nessa mesma noite, o povo de Lousada e patrulhas da GNR com cães-pisteiros vasculham todos os cantos da vila.

Sem êxito.

Os cães farejavam o rasto de Rui Pedro desde o terreno baldio nas traseiras da escola de condução, onde fora encontrada a bicicleta, até uma estrada de terra batida, e aí perdiam-lhe o cheiro.

Nos dias seguintes, a mesma caminhada, agora sob as ordens de uma brigada da Polícia Judiciária.

Nada.

Na investigação de desaparecimento, todos os minutos contam.

É obrigatório reconstituir trajectos, hábitos, rotinas e ouvir amigos e familiares, quanto mais depressa melhor.

Muito provavelmente, os investigadores da PJ chegaram demasiado tarde a Lousada e o Afonso, com quem Rui Pedro queria ir dar uma volta, teria qualquer coisa de útil para contar.

Nas primeiras horas que seguiram ao desaparecimento, André, um primo de Pedro com a mesma idade, tinha uma informação: o Afonso tinha convidado os dois para irem ver prostitutas.

André não foi porque a mãe o obrigou a ficar em casa, mas estava convencido de que o primo tinha ido com Afonso: Rui podia muito bem ter pensado que voltava a tempo da explicação e os pais nem chegavam a saber.

Ainda nessa noite, no posto da GNR de Lousada, Afonso Dias negou que tivesse estado com Rui Pedro.

Mas uma vizinha do menino jurou que o viu a falar com Afonso.

O avô materno de Rui (que entretanto já faleceu), proprietário da escola de condução de Lousada, ouviu de Afonso um comentário que o deixou aterrado: se quisessem encontrar o rapaz, o que deviam fazer era fechar as fronteiras - disse-lhe, ainda no posto da GNR.

Afonso Dias vivia de fazer favores e recados por Lousada a troco do lanche ou de umas tantas moedas.

Volta e meia, passava pela escola de condução para mandar faxes e cartas para amigos holandeses – com quem travara conhecimento nas célebres provas auto-cross que se disputavam em Lousada e juntava pilotos estrangeiros.

Ainda hoje, Filomena Teixeira acredita que Afonso sabe muito mais do que disse.

Poucos dias após o desaparecimento, uma mulher nova disse que viu Rui Pedro numa casa de passe do Porto e encaminhou para lá os investigadores da Polícia Judiciária.

A PJ descobriu que se tratava de um lugar de passagem: as raparigas não ficavam lá mais do que dois ou três dias, até serem enviadas para outros locais de prostituição.

A proprietária disse que a criança de quem falavam era, afinal, o seu sobrinho de seis anos.

Mas a testemunha, sem a mais pequena hesitação, garantiu que não se tratava do mesmo rapaz.

Ainda assim, a Polícia Judiciária também não seguiu esta pista até ao fim.

Em Setembro, seis meses depois de Rui Pedro ter desaparecido, o coração de Filomena disparou ao folhear a revista “Caras”.

Numa foto de Nuno Rogeiro e da mulher, na Eurodisney, nos arredores de Paris, lá estava, atrás do casal, um homem na companhia de uma criança que, se não era o Rui Pedro, era muito parecida.

A mãe garante que é o filho.

Filomena reconstituiu a cara desse homem misterioso.

As investigações levaram a um segurança de uma discoteca do Porto.

Mas esta pista também acabou por ser abandonada pela Polícia Judiciária.

Rui Pedro terá hoje vinte anos.

Afonso Dias, que não trabalhava, comprou um carro pouco tempo depois do desaparecimento de Rui Pedro, acusa Filomena Teixeira.

Afonso fez-se camionista de longo curso.

Casou-se e foi viver para Freamunde.

Filomena Teixeira, a mãe de Rui Pedro, guarda na secretária do filho pastas com todas as informações que recolheu, e não acredita que a Polícia Judiciária tenha seguido todas as pistas.

Filomena colabora com organizações estrangeiras que se dedicam a descobrir crianças presas por redes pedófilas.

Segundo a PJ, os processos de menores desaparecidos não são arquivados e continuam a ser investigados.

Quatro anos depois do desaparecimento de Rui Pedro, no início de 2002, os pais de Rui Pedro receberam a visita da Polícia Judiciária.

Os investigadores levaram-lhes uma foto para eles identificarem.

A imagem mostra uma criança amordaçada e amarrada, atordoada.

Faz parte de um lote de sessenta mil imagens apreendidas pela polícia holandesa contra uma rede pedófila com ramificações na Polónia, Suécia, Ucrânia, Roménia e Portugal.

Filomena Teixeira ficou com a certeza de que o rapaz da foto é o Rui Pedro, pelas orelhas, os ombros, as sobrancelhas, os mamilos, o jeito do corpo.

Pelas suas contas, a foto terá sido tirada uns seis meses depois do desaparecimento, não mais.

Uma mãe não se engana no momento de reconhecer o filho.

in Correio da Manhã,15 / 04 / 2007, Pessoas Desaparecidas.
Nota final: Todos nós quando éramos crianças podíamos ter sido um Rui Pedro ...

Que raio de tatuagem!

A 2.ª Piada do dia.

Um grupo de anões resolve jogar futebol no domingo e alugam um campo.

Formadas as equipas, cada um pega no seu equipamento, quando reparam que o campo de futebol não tem balneário.

Resolvem então perguntar ao dono de uma tasca ao lado se podem utilizar a casa de banho para trocar de roupa.

O dono diz que não há problema nenhum, e lá vão eles.

Entram todos na tasca, vão até à casa de banho, vestem-se e começam a sair da casa de banho.

Um bêbado, que estava sentado ao balcão, vê passar por ele a equipa de azul.

Estranha, mas continua a beber.

Quando, ao fim de pouco tempo, vê passar a equipa de vermelho, vira-se para o dono do bar e diz: Eu não me queria meter... mas é só para te avisar que os teus matraquilhos estão a dar à sola !...

A 1.ª Piada do dia.

Dois alentejanos encontram-se e diz um para o outro:

- Compadre, onde vai com esse carro de esterco?

Responde o outro:

- É para pôr nos morangos.

Diz o primeiro:

-Atão o compadre nunca experimentou com natas?

É favor não fazer confusão!







A Cooperação Diplomática com Seychelles.


Hoje saiu no Diário da República o Decreto do Presidente da República n.º 51 / 2007, de 31 / 05 que nomeia, sob proposta do Governo, o ministro plenipotenciário de 2.ª classe, Luís João de Sousa Lorvão, como Embaixador de Portugal na República das Seychelles (Presidência da República, DR 105, Série I).

As Seychelles têm uma área de ... 455 km²!


As Seychelles são um estado insular africano do Oceano Índico, constituído por vários arquipélagos localizados a norte e nordeste de Madagáscar, fazendo parte dele ... as Ilhas Seychelles propriamente ditas, as ilhas Almirante, as ilhas Farquhar, as ilhas Aldabra e algumas outras ilhas dispersas.

Além de Madagáscar, os seus vizinhos mais próximos são a Maurícia, a sueste, as Comores e Mayotte, a sudoeste, e as Ilhas Gloriosas, a sul.
As Seychelles consistem em ... 115 ilhas.
O clima é tropical com uma humidade variavelmente elevada.
Vale a pena ter uma ideia da recente história política das Seychelles para perceber o enquadramento ...:
- Em 1977, France Albert René organiza um golpe de Estado e proclamou-se Presidente da República, com um único partido: o Partido Socialista!
- Em 1991, Seychelles voltou à democracia com o multipartidarismo;
- Nas eleições presidenciais de julho de 1993, Albert René foi eleito com 59% dos votos totais (agora é o filho por inerência).


Conclusão:


Já estou completamente arrependido de não ter seguido a carreira diplomática!